WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
Home . Inicio




Laboratório Checap

drogaria_santana


Loja Bella Cosméticos e Variedades é inaugurada na Praça da Feira, em Santaluz (fotos)

DSC02457 DSC02442 DSC02443 DSC02444 DSC02445 DSC02446 DSC02447 DSC02448

FOTOS: Projeto pedagógico reconhecido pela UNESCO é implantado em Santaluz

DSC_0379DSC02280

DSC02285 DSC02286 DSC02287 DSC02290 DSC02293 DSC02295 DSC02298

Enquanto crianças sorriem na propaganda da Oi, clientes se irritam e colecionam prejuízos

IMG_1400092073

Foto: Reprodução/Jornal da Metrópole

Líder dos rankings da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) como pior prestadora de serviços, a Oi também ganha disparada quando o assunto é a operadora de telefonia mais odiada pelos usuários. As queixas são provenientes de todos os serviços oferecidos, desde o telefone fixo, passando pela telefonia móvel, TV a cabo e até internet. Com 857.603 reclamações registradas no ano passado, a Oi é a empresa que acumula mais denúncias na Anatel. São 353.307 referentes à telefonia móvel, 470.213 sobre telefonia fixa e outras 34.083 relacionadas aos serviços de TV por assinatura. De acordo com a agência, no período de 2009 a 2013, foram instaurados 55 processos contra a Oi por descumprimentos relacionados à interrupção da prestação do serviço de telefonia fixa e banda larga. “Foram aplicadas multas que totalizam R$ 49.255.025,51”, explica a Agência Nacional de Telecomunicações. No site Reclame Aqui, a Oi também é líder, com 56.896 reclamações – sendo que quase todas, 56.867, não foram respondidas pela empresa. Os dados renderam à operadora a classificação de “Não Recomendada”, pior título atribuído às empresas no site especializado em queixas de clientes.  

Empresa fica mais de 30 dias sem telefone e internet 
Os dados trazem à tona histórias de consumidores como Mauro Nascimento e Urbano Júnior, empresários do bairro do Comércio, em Salvador, que acumulam prejuízos por conta da má qualidade do serviço prestado pela operadora. Por incrível que pareça, em pleno 2014, empresas ficam semanas seguidas sem comunicação por conta de concessionárias de telefonia, caso da Oi. “Desde a semana passada, eu tenho ligado para a Oi, porque estamos sem telefone e sem internet e estamos impossibilitados de funcionar”, conta. Segundo ele, após inúmeras ligações, a operadora afirmou que um técnico faria o reparo necessário em 24 horas, mas, até a última quinta-feira (8), nada tinha sido resolvido. Situação semelhante vive o empresário Urbano Júnior. Segundo ele, sua empresa está sem telefone fixo e internet há mais de 30 dias. “Eu tenho uma coleção de protocolos – inclusive ligando para a Anatel – e não resolvi”, afirmou ao Grupo Metrópole. 

Sexta, sábado e domingo sem sinal
 Quem tem a sorte de ter o telefone funcionando ainda precisa lidar com a instabilidade do sinal da Oi, problema frequente para os usuários dos serviços de telefonia e internet. “Moro a ‘meio metro’ da antena em Itapuã e trabalho a 50m da antena da Amaralina e não tenho sinal. Quando consigo sinal, mal consigo falar”, desabafa Cláudia Oliveira. Esse problema é enfrentado também no interior da Bahia. Segundo moradores de Jaraguá, há três semanas, os telefones da Oi ficam repetidamente incomunicáveis. “Toda sexta, sábado e domingo é assim agora. A Oi para totalmente, fixo e celular”, denuncia o funcionário público Demerval Gama. Tal infração pode acarretar punições à operadora: notificação com advertência, aplicação de uma multa, suspensão da atividade comercial e, em casos extremos, até o fechamento da atividade comercial. Mas, por enquanto, a Oi age livremente.  

Conta de um mês inteiro por uma semana de serviço 
Além de não prestar o serviço contratado pelo consumidor, a Oi continua cobrando como se o serviço fosse entregue como deveria. “Fiquei três semanas sem internet e sem telefone. Quando finalmente resolveram, a continha chegou sem ser descontado nada”, reclama o internauta Iago Maciel. De acordo com o assessor técnico da Superintendência do Procon na Bahia, Felipe Vieira, em casos como o de Iago, a empresa é obrigada a descontar os dias em que o serviço não foi fornecido. “O consumidor que tiver problemas de interrupção de um serviço essencial como telefonia e telecomunicação deve sim requerer o abatimento proporcional do preço”, esclarece. Ainda segundo Vieira, a reclamação pode ser feita independente do tempo que o serviço ficou sem funcionar. “Consumidores que tenham mais que 30 dias ou simplesmente uma ligação interrompida por um período podem prestar a sua reclamação e fazer valer seu direito”, reitera. 

Silêncio: preguiça ou pura má vontade? 
Fazendo jus ao título de pior operadora no ranking nacional da Anatel, a Oi se recusou a responder os questionamentos do Jornal da Metrópole e tentar explicar os motivos que estariam causando as inúmeras queixas de usuários dos serviços em Salvador. Procurada pela reportagem, a empresa recebeu uma lista com sete reclamações diversas – de cobranças indevidas a falta de sinal em bairro de Salvador – com nomes e os bairros onde os problemas acontecem, mas, por intermédio de sua assessoria de imprensa, informou que não tinha “dados suficientes para procurar saber a origem dos problemas”. Questionados sobre um possível boicote dos técnicos – que estariam recebendo salários abaixo de mercado, conforme uma denúncia feita por um ouvinte da Rádio Metrópole – o argumento foi o mesmo. Ao contrário do sinal da Oi, a pergunta está no ar: se os detalhes informados pela reportagem não bastam para que o problema seja resolvido, o que seria suficiente? 

Ação no TJ é uma alternativa 
Para os casos em que a falta do serviço da Oi pode acarretar prejuízo financeiro ao cliente, o consumidor deve procurar o Tribunal de Justiça para que uma ação indenizatória seja aberta. “A indenização só pode ser questionada no Poder Judiciário. O consumidor que quiser a solução rápida e prática desses problemas deve aceitar o convite da Secretaria de Justiça e comparecer a um dos balcões do Procon”, alerta o assessor técnico do órgão de defesa do consumidor, Felipe Vieira.

Telefonia é setor líder em reclamações no Procon
 Os problemas relacionados a operadoras de telefonia são líderes em reclamações no Procon da Bahia. Em 2013, somente os problemas relacionados à telefonia fixa acumularam mais de 3.134 queixas de consumidores. “Isso significa, em um único segmento, cerca de 6,75% do total de reclamações. Logo abaixo deste setor, vem a telefonia móvel, com 5.091 reclamações […] Nós tivemos mais de 11 mil consumidores reclamando da má prestação de serviço oferecido pelas operadoras”, explica Felipe Vieira. 

Anatel diz aplicar multas
 Com o argumento que todos os responsáveis estão preferindo se pronunciar por intermédio de nota, a Anatel informou que acompanha e controla permanentemente a qualidade e a regularidade da prestação da telefonia fixa e do serviço de banda larga por meio de indicadores de desempenho operacional das prestadoras e pelo monitoramento da disponibilidade do serviço. “Quando identificada e caracterizada uma ou mais infrações, em regra, há a instauração de processo administrativo, sendo a sanção de multa a mais aplicada. O teto para grandes operadoras, nos casos mais graves, é de R$ 50 milhões”, disse. As informações são do portal Metro1.

Empresas que conquistaram o Prêmio Mérito Lojista – edição 2014

Slide1 Slide2 Slide3 Slide4 Slide5 Slide6 Slide7

FOTOS: Tenente PM Laerth Lopes assume comando do Pelotão de Santa Luz

DSC02128 DSC02120

DSC02123 DSC02124 DSC02125 DSC02127

Nota Superintendência Municipal de Tráfego sobre veículos estacionados em calçadas

Em nada justifica a falta de informação que as pessoas alegam quando abordadas pelos agentes da Superintendência Municipal de Tráfego (SMT). Além de não termos o direito de alegar falta de conhecimento das leis, Santaluz desde 2009 vem passando por um grande processo de conscientização das normas de trânsito, ação essa iniciada pela Policia Militar e que em 2013 ganhou o reforço da Superintendência Municipal de Tráfego, através de ações e com o lançamento do Projeto de Educação e Socialização do Trânsito (PROEST). Na maioria dos casos o que percebemos é realmente o descaso das pessoas com o Código Brasileiro de Trânsito. Pessoas essas que deveriam ser bons exemplos na sociedade acabam sendo maus exemplos. Essa situação é descrita no Artigo 181, inciso VIII. Assim sendo, a SMT aplica a penalidade por escrito e envia por malote os autos de infração para o órgão competente em lançá-los no sistema.

Ascom SMT

Samara Modas inaugura nova loja em Santaluz (Fotos)

SAMARA MODAS | Moda Masculina, Feminina e Surf Wear
Rua Gastão Pedreira, nº 86, Santaluz-BA
(Ao lado da Flaviano Móveis)

Aceitamos cartões de crédito Visa e Mastercard!

DSC_0468 DSC_0462

 

 

DSC02058

DSC02063 DSC02061 DSC02060 DSC02059 DSC02057 DSC02056 DSC02055 DSC02054 DSC02053 DSC02051 DSC02048

Pré-Moldados Padrão

IMG-20150430-WA0169 IMG-20150430-WA0182 IMG-20150430-WA0172 IMG-20150430-WA0173 IMG-20150430-WA0174IMG-20150430-WA0170 IMG-20150430-WA0175 IMG-20150430-WA0176 IMG-20150430-WA0177 IMG-20150430-WA0178 IMG-20150430-WA0179 IMG-20150430-WA0180 IMG-20150430-WA0181

Consumidora afirma ter encontrado larvas de inseto em chocolate, em Santaluz

10313603_760725357284608_3044821705478231222_n 10250215_760725677284576_2241409687199801946_n 10262143_760725340617943_1892874641100861402_n 10289854_760726233951187_5766901186188957254_n

Neto vira “pai” de avó com Alzheimer

340x255_vovo-nilva-e-fernando-aguzzoli_1409257

Foto: Reprodução | Blog As pérolas de uma coroa

Compartilhar a dor não é sofrê-la no coletivo, é livrar quem dela sofre. Foi com esse lema que o estudante Fernando Aguzzoli decidiu dividir com milhares de seguidores a experiência de virar o pai da própria avó e fazer dessa relação um exemplo de como lidar de forma leve com o Alzheimer.

Em janeiro de 2013, aos 21 anos, o jovem de Porto Alegre decidiu largar a faculdade de filosofia e o emprego para passar 24 horas ao lado da avó, diagnosticada com Alzheimer cinco anos antes. Aos 79 anos, Nilva Aguzzoli, ou a Vovó Nilva, como ficou conhecida nas redes sociais, passou a ter o neto como cuidador em tempo integral.

“Desde o início da doença, eu e meus pais sempre cuidamos, mas, em 2013, quando percebi que ela estava chegando a um estágio mais avançado da doença, pensei que, em breve, ela poderia nem nos reconhecer mais, e decidi que queria ficar direto com ela. A partir daí, tomei a decisão de levar tudo na esportiva”, conta Fernando.

Em setembro, o jovem teve a ideia de criar uma página no Facebook onde passou a relatar de forma bem-humorada histórias do cotidiano de uma família com um membro com Alzheimer. “Sempre busquei informação sobre a doença e tudo o que eu encontrava era deprimente”, conta. Nas postagens, os esquecimentos da Vovó Nilva viravam motivo de risada.

“Foi superpositivo para mim, para ela e para os meus pais. A realidade dela era completamente diferente, mas era muito bonita. As coisas eram lindas, as pessoas não morreram. Quem sou eu para tirar isso dela?”, diz.

E era com bom humor que Fernando enfrentava os desafios diários. “Quando ela teve de usar fralda pela primeira vez, ficou incomodada. Então, eu coloquei uma fralda em mim e rimos juntos”, conta.

A história acabou atraindo a curiosidade de internautas e a admiração de familiares de pacientes com Alzheimer.

Com o sucesso, Fernando e a avó passaram a escrever um livro que, além de contar as histórias engraçadas, terá dicas de como a família pode lidar com diversas situações vividas por um paciente com a doença. A iniciativa atraiu a atenção de médicos do Rio Grande do Sul, que participam da publicação com orientações técnicas. O livro deve ser lançado em setembro.

Vovó Nilva acabou morrendo em dezembro, por complicações de uma infecção urinária. Apesar da frustração, Fernando decidiu manter a página na internet, que hoje já tem 15 mil seguidores. “Mantive por consideração às pessoas que me deram apoio, pela escassez de informações sobre a doença e, principalmente, porque é uma forma de deixar a minha avó viva.”

Benefício

Posturas como a de Fernando podem até ajudar a adiar a evolução da doença, segundo Cícero Gallo Coimbra, professor de Neurologia e Neurociências da Unifesp. “Na maioria dos casos, a atitude da família é cobrar e repreender o parente nos episódios de esquecimento. Essa cobrança leva ao pânico e ao estresse, que bloqueiam a produção de novos neurônios e pioram um quadro de demência”, explica o especialista. “A maioria das famílias deixa o parente com Alzheimer no ostracismo, e o que ele mais precisa é de acolhimento afetivo.”

E essa foi a missão de Fernando. “Quando eu e minha mãe decidimos levar a vó para realizar o sonho dela, que era conhecer as Cataratas do Iguaçu, muitos perguntavam por que íamos gastar dinheiro com a viagem se, dez minutos depois, ela não lembraria do passeio. Mas, para nós, não importava se ela lembraria, importava a felicidade que ela teria naquele momento.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia