Share Button

Por R7

Foto: Euzivaldo Queiroz

Foto: Euzivaldo Queiroz

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, concedeu entrevista coletiva, neste domingo (17), para falar sobre a aprovação de uso emergencial das vacinas de Oxford e da CoronaVac. Direto do Into (Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia), no Rio de Janeiro, o chefe da pasta anunciou a data de início do PNI (Plano Nacional de Imunização) contra a doença, que deve começar no dia 20 de janeiro.

“Determinei imediatamente após a aprovação da Anvisa que o departamento de logística faça a distribuição específica para cada estado e o Distrito Federal. Considerando o nosso cronograma, amanhã, às 7h, iniciaremos a distribuição das doses para todos os estados, com o auxílio do Minsitério da Defesa”, disse Pazuello.

A Anvisa concedeu na tarde deste domingo autorização para uso emergencial das vacinas de Oxford e da CoronaVac. São os primeiros imunizantes contra a covid-19 aprovados para uso no país. A decisão foi tomada nos primeiros três votos, a favor, da diretoria, composta por cinco membros.

A vacina de Oxford foi desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, e pela farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca, e, no Brasil, será produzida pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), no Rio de Janeiro. Já a CoronaVac foi desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac e será fabricada pelo Instituto Butantan, em São Paulo.

O uso emergencial vale para um lote de 2 milhões de doses da vacina de Oxford produzida pelo Instituto Serum, na Índia, e 6 milhões de doses da CoronaVac, que já estão em território nacional. Para o uso de outros lotes, será necessária uma nova solicitação.

O ministro também criticou o que ele classificou como “uso político” das vacinas. Pazuello disse que o Ministério da Saúde já está com as doses em mãos e que poderia ter realizado a primeira vacinação do Brasil. No entanto, decidiu respeitar o que foi “pactuado com os governadores.”

“Não faremos jogada de marketing. O governo federal determinou que o Plano Nacional de Imunização seja executado pelo Ministério da Saúde. Esse plano já foi apresentado ao STF (Suprema Tribunal Federal), lançado no Palácio do Planalto, com todos os estados. Quebrar essa pactuação é desprezar a igualdade entre todos os estados e brasileiros”, completou.