Aécio

Foto: Divulgação

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), acredita que Eduardo Cunha (PMDB) deveria deixar a presidência da Câmara para tentar manter seu mandato no Parlamento. Segundo a Folha de S. Paulo, os dois conversaram sobre as suspeitas de que o peemedebista teria quase R$ 5 milhões em contas secretas na Suíça e que teria envolvimento nos esquemas investigados pela Operação Lava Jato. Os tucanos ainda não se pronunciaram sobre as acusações, pois veem o presidente da Câmara como essencial para deflagrar o processo de impeachment, e estariam desgastados com a pressão para decidir se mantêm ou não o apoio à sua manutenção no posto. Internamente, o argumento utilizados por membros do PSDB é de que, caso Cunha renuncie ao posto, ele perderá a prioridade nas investigações ao se igualar a outros parlamentares citados. Assim, seria preciso esperar, assim como todos os outros, uma eventual condenação para que houvesse perda de mandato. Alguns aliados de Cunha concordam que o melhor seria o seu afastamento, mas que ele resiste à ideia. Procurados, Aécio e Cunha negaram a conversa e disseram que não se falam há semanas.