Share Button
Foto: Carolina Antunes/PR

Foto: Carolina Antunes/PR

Empossada nesta quarta-feira (4) como titular da Secretaria Especial da Cultura, Regina Duarte é considerada por aliados de Jair Bolsonaro como uma bomba-relógio prestes a explodir. De acordo com informações da coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S. Paulo, a atriz é vista como imprevisível e pouco comprometida com compromissos políticos importantes para o presidente. Ainda segundo a publicação, a primeira crise é prevista para os próximos dias, pois, após várias demissões, Regina sinalizou que pretende exonerar ainda mais funcionários do órgão, sendo todos ligados a apoiadores de Bolsonaro. Entre as pessoas na mira estão indicações do deputado Marco Feliciano (sem partido) e de Olavo de Carvalho, guru ideológico da família do presidente. A coluna pontua, no entanto, que a atriz já teve sua primeira derrota, já que ela queria desligar Sérgio Camargo da Fundação Palmares, mas, além de não ser demitido, nesta semana ele postou foto ao lado de Bolsonaro nas redes sociais. Diante de seus primeiros atos, Regina Duarte já tem sido atacada por olavistas e pelo próprio Olavo. Apesar do presidente ter garantido diversas vezes que deu carta branca à atriz para gerir a Cultura, um integrante do governo afirmou à publicação que a gestão Bolsonaro tem bandeiras claras e que a secretária terá que aderi-las, não o contrário.