O Globo
delcidio-amaral-andre-dusek-estadao-526x350

Foto: Divulgação

Em entrevista à revista Veja, Delcídio Amaral, ex-líder do governo no Senado, disse que a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabiam sobre esquema de corrupção na Petrobras. Delcídio, preso preventivamente durante a Operação Lava-Jato e libertado após delação premiada, revelou detalhes sobre um suposto plano para impedir que as investigações capitaneadas pelo juiz Sergio Moro fossem adiante. Durante o depoimento à publicação, o senador repete várias vezes um “mea culpa” e diz que quer “ajudar a Justiça e a sociedade brasileira a descobrir quem são os verdadeiros vilões desta história”. “Eu errei ao participar de uma operação destinada a calar uma testemunha, mas errei a mando do Lula. Ele e a presidente Dilma é que tentam de forma sistemática obstruir os trabalhos da Justiça, como ficou claro com a divulgação das conversas gravadas entre os dois”, disse ele. “O Lula negociou diretamente com as bancadas as indicações para as diretorias da Petrobras e tinha pleno conhecimento do uso que os partidos faziam das diretorias, principalmente no que diz respeito ao financiamento de campanhas. Lula comandava o esquema”, afirmou à revista Veja o ex-líder do governo Dilma no Senado. Ele fala também da acusação, em sua delação premiada, ao senador tucano Aécio Neves, que teria recebido propina de Furnas. Segundo o senador, a estatal rendeu dinheiro clandestino ao PP, PT e PSDB. “Se a informação não fosse verdadeira, um tucano de alta plumagem não teria me procurado, dias antes de o STF homologar minha delação, para conversar. Eu não aceitei recebê-lo”, disse o senador, que preferiu não revelar o nome do político quando foi questionado quem era.