Estadão Conteúdo

31mar2015---o-ministro-da-fazenda-joaquim-levy-disse-no-senado-que-nao-fez-criticas-a-presidente-dilma-rousseff-mas-afirmou-que-ela-quer-endireitar-as-coisas-no-brasil-como-muitos-outros-1427828724884_300x300

Ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

O líder do PT na Câmara dos Deputados, Sibá Machado (AC), e o presidente da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Casa, Vicente Cândido (SP), levaram um chá de cadeira do ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Eles estiveram no Ministério na manhã desta quarta-feira (1º), esperaram por uma hora e meia e saíram de lá sem a audiência que esperavam ter. A descortesia acontece no momento em que o governo enfrenta dificuldades de relacionamento com o Congresso Nacional e luta para aprovar as MPs do ajuste fiscal, enquanto tenta impedir a aprovação de projetos onerosos para a União, como o que trata da dívida de Estados e municípios. Os deputados pretendiam discutir formas de trabalhar uma “agenda positiva” para o governo e apresentariam sugestões da bancada petista para o governo. Os parlamentares esperavam ter um retorno do gabinete do ministro para terem uma audiência ainda nesta quarta-feira. Sem resposta até o final da tarde, tentarão o encontro na próxima segunda-feira (6). Na última terça-feira (31), o ministro da Previdência Social, Carlos Eduardo Gabas, também “abandonou” parlamentares. Deixou uma audiência pública na Câmara, onde discutia com deputados as mudanças nas regras do auxílio-doença e a pensão por morte previstas na Medida Provisória 664. O ministro estava sendo interrogado por parlamentares contrários à medida quando avisou que havia sido chamado pela presidente Dilma Rousseff para uma reunião no Palácio do Planalto.