EFE

papa-ettore-ferrari-efe

Foto: EFE

O papa Francisco lamentou neste domingo (15) a “barbárie” dos atentados cometidos em Paris e disse no final da oração do Ângelus perante os fiéis na Praça de São Pedro que utilizar o nome de Deus para justificá-los “é uma blasfêmia”. “Tanta barbárie nos deixa consternados e nos interroga sobre como pode o coração humano idealizar e cometer atos tão horríveis, que transtornaram não só a França, mas o mundo inteiro”, acrescentou o pontífice. “Perante semelhantes atos, não se pode não condenar a afronta inqualificável à dignidade da pessoa humana”, completou o papa perante milhares de fiéis da sacada do Palácio Apostólico. Francisco quis “reafirmar com vigor que a via da violência e do ódio não resolve os problemas da humanidade”. O papa reiterou, como tinha feito no sábado (14) ao saber da notícia dos atentados em Paris, sua “profunda dor” pelos ataques e enviou suas condolências “ao presidente da república francesa e a todos os cidadãos”. Francisco falou dos atentados de Paris após comentar o Evangelho de hoje, que lembra as palavras de Jesus sobre os “últimos eventos da história humana” e se referiu às “guerras, crises de fome e catástrofes cósmicas” mencionadas naquela ocasião. “O problema não é ‘quando’ acontecerão os sinais premonitórios dos últimos tempos, mas estar preparados. E não se trata também de não se saber ‘como’ ocorrerão essas coisas, mas ‘como’ devemos nos comportar enquanto as esperamos”, concluiu o papa.