1923824_483928765132887_1706540452545320364_n

Na manhã de desta segunda-feira (14), na Universidade do Estado da Bahia – Campus XIV de Conceição do Coité aconteceu a cerimônia de posse da nova Diretoria do Centro Acadêmico Estudantil de Comunicação Social. Durante o ato, aconteceu também o cerimonial que marcou a homenagem ao Comunicólogo e Mestrando em Crítica Cultural Edisvânio Nascimento que agora tem o seu nome dado ao Centro Acadêmico Estudantil de Comunicação Social, homenagem prestada pelos estudantes do Curso de Comunicação Social e pela UNEB.

Durante o evento a Coordenadora do Colegiado de Comunicação Social Professora Doutora Rosane Vieira enfatizou a importância do evento e destacou que a homenagem prestada a Edisvânio “é mais que justa e que é o mínimo que a UNEB e os Estudantes de Comunicação poderiam fazer, pelos seus relevantes serviços prestados em favor da Democratização da Comunicação no Território do Sisal”.

Rosane disse ainda que “Edisvânio serve de inspiração e exemplo para muitas pessoas, pelo seu caráter, ser humano e por ser um símbolo forte das lutas sociais no Território e em especial por ter sido um símbolo emblemático na luta pela implantação do Curso de Comunicação na UNEB”.

Rosane acrescentou também que homenagear Edisvânio “é poder reconhecer o grande valor e legado que ele oferece à UNEB e ao Território do Sisal, por tudo o que ele já protagonizou em favor das lutas junto aos Movimentos Sociais por políticas públicas e para o bem da região”.

Já a ex-Coordenadora Geral do Centro Acadêmico, Joana, que é aluna do Curso de Comunicação da UNEB destacou “que o momento significa para ela e para as pessoas que lutaram juntas em favor da realização deste sonho de homenagear Edisvânio que segundo ela, deve ser seguido como exemplo de inspiração pelos estudantes de comunicação”.

Para Barbara Anunciação que cursa comunicação social e é a atual Coordenadora Geral do Centro Acadêmico. “O momento é de alegria, por poder participar desse ato, pois pelo que pude ler e ouvir a respeito de Edisvânio é mais que merecido, por seus trabalhos prestados ao Território e ao Curso de Comunicação”.

Barbara concluiu dizendo que “espera muito poder contar com o apoio e o envolvimento da comunidade estudantil em prol do fortalecimento do Curso, mas que principalmente os estudantes possam seguir o exemplo de Edisvânio que muito tem lutado e lutou para o crescimento dos movimentos sociais, a implantação do curso e que é símbolo de luta por um Território do Sisal mais forte”.

O homenageado do dia Edisvânio Nascimento iniciou a sua fala dizendo que é preciso “agradecer a cada um de vocês que confiam no meu trabalho. Todavia este reconhecimento eu dedico a cada militante dos movimentos sociais do Território do Sisal, às lideranças que lutaram juntos de mãos dadas marchando em favor da implantação do Curso de Comunicação Social e claro, em favor de tantas outras políticas púbicas.

12821527_1686272368328230_5047872253806605035_n

Edisvânio fez questão também de dedicar a homenagem à UNEB, aos seus quadros de professores, em especial os do Curso de Comunicação Social. “Não posso esquecer aqui dos Diretores que lá no inicio das lutas abraçaram a causa em favor da implantação do Curso, aqui faço uma Menção aos nomes da Professora Amélia Maraux, Professor Plínio e das Professoras Vilbegina Monteiro e Nisia Rizzo, não há dúvidas do quanto foram e são importantes para tudo isso”.

Em um discurso carregado de emoção Edisvânio enfatizou a sua gratidão aos colegas e companheiros de caminhadas “Não posso me esquecer também da minha Turma 2010.1 e especial de Icaro Rebouças e Joanna Colapso que estando a frente do Diretório Acadêmico foi um dos entusiastas para que o meu nome fosse lembrado e colocado no hoje, Centro Acadêmico Estudantil”.

Edisvânio Nascimento aproveitou a oportunidade para chamar a atenção dos estudantes para falar da importância dos Comunicólogos e futuros Comunicólogos. Ele se referiu ao atual momento de crise política usando a metáfora da travessia “estarmos atentos ao atual cenário, passando por uma travessia perigosa que estamos enfrentando nos dias atuais. É preciso que nós acadêmicos ocupemos o nosso lugar de fato e de direito, que é preciso continuar as nossas lutas em prol de garantir a permanência das políticas públicas que hoje existem neste país e em nosso Território do Sisal, a custo muitas vezes de muito suor, lágrima e até sangue, basta que recorramos aos anos 70 e 80”.

Ao se referir ao período do regime militar no Brasil Edisvânio se emocionou e fazendo uma longa pausa enfatizou que “apesar de não ter vivido de perto esse drama, por ter nascido na Zona Rural e ainda ser criança na época, mas lembrou que tudo o que tem lido durante a sua caminhada é de uma perversão tremenda e que manchou as páginas da história do Brasil”.

Edisvânio disse ainda que “embora tenhamos hoje muitos avanços e algumas políticas públicas, estas ainda não são o suficiente e que estão muito aquém de nossas demandas, é preciso, portanto que não esmoreçamos, que não percamos o rumo e não permitamos que os “Coronéis, Ditadores, Elitistas, Burgueses, truculentos e Opressores”  voltem a tocar terror e amordaçar as classes que tanto já sofreram no Brasil”.

Em seu discurso o radialista foi categórico ao dizer que “precisamos unir forças e não aceitarmos que as mídias “Embranquecidas, elitistas e burguesas” leia-se “Globismo, Vejismo, Époquismo, IstoÉismo etc… etc…” que tanto odeiam e tratam das piores formas preconceituosas e detestam pobres, negros/as, moradores das periferias e campesino/as”.

WP_20160314_11_32_33_Rich (1)

O homenageado ainda fez um chamado aos estudantes para que haja o encorajamento “e que haja contra as ameaças que estamos vendo na atual conjuntura. É preciso nos empoderar, nos encorajar e nos fortalecer enquanto cidadãos e cidadãs, para que não corramos o risco de cairmos novamente nos porões sombrios dos opressores”.

Edisvânio concluiu dizendo que “se hoje temos no Território do Sisal um Curso de Comunicação Social em Rádio e TV, não foi porque nos acharam Bonitinhos não! Mas sim, foi o resultado de muito trabalho, esforço de uma coletividade e claro, a sensibilidade da UNEB que abriu seus portões para que pessoas que em sua história e memória guardam com zelo e orgulho, mãos calejadas do árduo trabalho de agricultor, mas que mesmo sendo muitas vezes olhados de forma atravessada por “alguns” que se julgam usar bem o emprego da chamada linguagem formal, mesmo assim, não nos intimidamos e dissemos que também queríamos ser acadêmicos e assim, podermos fazer ciência”.

O curso de Comunicação Social Rádio e TV da UNEB é um curso novo em Conceição do Coité, resultado de demandas levantadas pelos movimentos sociais do Território do Sisal e teve sua primeira turma em 2006 e de lá para cá já formou diversos alunos, sendo que só de Santaluz, já foram vários que concluíram.

Redação: Santa Luz FM