Share Button

Com informações do G1

Manifestação a favor de Bolsonaro em Brasília | Foto: Alan Santos/PR

Protestos contra e a favor do governo do presidente Jair Bolsonaro marcam o feriado da Independência no Brasil nesta terça-feira (7).

Os atos acontecem em meio a embates do presidente com o Supremo Tribunal Federal (STF), e em um contexto de queda na popularidade e nas avaliações sobre a administração Bolsonaro – e de uma acentuada crise econômica.

Manifestação a favor de Bolsonaro em Brasília | Foto: Marcos Correa/PR

O presidente acirrou as tensões ao convocar os atos pró-governo, com pauta antidemocrática, com ameaças aos ministros do Supremo e ao Congresso.

Na última sexta-feira, sem citar nomes, Bolsonaro disse que a manifestação pró-governo seria um “ultimato” a duas pessoas que estão “usando da força do poder” contra ele. Em Brasília, a avaliação é de que ele se referia aos ministros do STF Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes.

Apoiadores de Bolsonaro participam de ato na Avenida Paulista (SP), na manhã desta terça-feira (7) | Foto: Aloisio Mauricio/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Os apoiadores do presidente intensificaram os chamados para os atos após a rejeição da PEC do voto impresso – uma demanda dos bolsonaristas diante de supostas fraudes nas eleições, sobre as quais não há indícios e cujas provas o próprio presidente admitiu não existirem.

No campo contrário, manifestantes protestam contra o governo Bolsonaro e a escalada da crise institucional e econômica. Diante de quase 600 mil mortos na pandemia do coronavírus, aumento de preços, do desemprego e da fome, os atos pedem a saída do presidente.

Manifestação contra Bolsonaro em Maceió (AL) | Foto: Gustavo Marinho

Falando aos manifestantes em Brasília nesta terça, Bolsonaro voltou a fazer ameaças ao STF.

“Nós não mais aceitaremos que qualquer autoridade usando a força do poder passe por cima da nossa Constituição. Não mais aceitaremos qualquer medida, qualquer ação ou qualquer certeza que venha de fora das quatro linhas da Constituição. Nós também não podemos continuar aceitando que uma pessoa específica da região dos três poderes continue barbarizando a nossa população. Não podemos aceitar mais prisões políticas no nosso Brasil. Ou o chefe desse poder enquadra o seu, ou esse poder pode sofrer aquilo que nós não queremos”, disse, em alusão à suprema corte. “Nós valorizamos, Reconhecemos e sabemos o valor de cada poder da República”. “Aqui na Praça dos Três Poderes juramos respeitar a nossa Constituição. Quem age fora dela se enquadra ou pede pra sair”, afirmou.

Bolsonaro durante ato nesta terça-feira em Brasília | Foto: Alan Santos/PR

Bahia

Um grupo de manifestantes se reuniu no Farol da Barra, em Salvador, para um ato a favor do presidente Jair Bolsonaro, nesta terça-feira (7). A concentração começou às 9h e os manifestantes seguiram em caminhada até o Morro do Cristo, às 10h30.

Manifestantes fazem ato pró-Bolsonaro no Farol da Barra, em Salvador | Foto: Henrique Mendes/TV Bahia

No local, os manifestantes levantaram cartazes e faixas com pedidos de intervenção militar, além do pedido de impeachment dos ministros Alexandre de Moraes, Luiz Fux e Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF). Alguns cartazes também pediram uma reformulação do Supremo, o uso da força e o voto “auditável”. Vestidas de verde e amarelo, grande parte das pessoas carregou uma bandeira do Brasil.

Manifestação contra o presidente Jair Bolsonaro em Salvador, Bahia, nesta terça-feira (7) | Foto: San Jr/Uai Foto/Estadão Conteúdo

No Campo Grande, um grupo fez ato contra o presidente. A concentração começou às 9h e os manifestantes seguiram em caminhada pela Avenida Sete de Setembro, em direção à Praça Castro Alves, a partir das 10h30.

No local, os manifestantes pediram o aumento do valor do auxílio emergencial, vacina e alimento para todos e a saída de Bolsonaro. Alguns cartazes também chamaram o presidente de genocida, em alusão às mais de 583 mil mortes, em meio à pandemia de Covid-19. Vestidas de vermelho, grande parte das pessoas carregava faixas com palavras de ordem contra o governo.