10320262_868705013185591_1136042404649449263_n

Jeovan Bandeira está desaparecido desde a noite do crime | Foto: Divulgação

Uma semana após duas pessoas terem sido encontradas carbonizadas dentro do porta-malas de um carro às margens da BA-120, em Santaluz, um dos corpos ainda não teve a identidade descoberta. Por causa do alto grau de carbonização do corpo, a identificação terá que ser feita através de exames de DNA e não há prazo definido para a divulgação do resultado, segundo o Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Feira de Santana. Familiares e a polícia suspeitam que o corpo seja do professor Jeovan Bandeira, 40 anos, que está desaparecido desde a noite do crime. Uma das vítimas, que já foi identificada, é o também professor Edivaldo Silva de Oliveira, de 32 anos, conhecido como Nino.

Em entrevista ao Notícias de Santaluz na manhã desta sexta-feira (17), o irmão de Jeovan, Sival Lima, disse que a família está revoltada e chocada com a forma como a grande mídia e entidades de defesa dos direitos LGBT estão ‘antecipando o julgamento’ da morte dos docentes ao destacar a possibilidade do crime ter motivação homofóbica. “Quero manifestar a minha indignação no que tange a inveracidade, pois o caso ainda está sendo investigado e não há confirmação sobre as causas. Pela linha de investigação não há conclusões. Acima da opção sexual deles existe uma história de vida. E isso foi abafado pela mídia em troca de achismos”, disse Sival.

11034237_860842267305199_1116841567227074620_n

Sival (esquerda) e Jeovan | Foto: Divulgação

“E, além disso, temos que conviver com conclusões arbitrárias e irresponsáveis de alguns aproveitadores em prol de ideologias que sou a favor, mas desde que sejam baseadas em veracidade. Minha família vive momentos de horror. É sabido que além da homossexualidade, existiram denúncias por parte do Nino sobre venda de drogas em uma escola e, de repente, ao invés de estarmos alertas à verdadeira causa, a mídia e os homossexuais vêm se aproveitando da dor alheia pra defesa de bandeira ideológica”, ressaltou o irmão de Jeovan.

Sival disse ainda que está estarrecido diante da forma bárbara como o crime aconteceu. “O homem está se distanciando da sua verdadeira essência, o amor à vida foi substituído pelo desejo próprio de regressão humanística”, afirmou. “Meu irmão tinha 40 anos de uma história linda. Saiu do distrito de Pereira com 14 anos, do seio de uma família de quatro irmãos, todos de boa índole, para trabalhar como jovem aprendiz na Companhia Vale do Rio Doce, em Santaluz, após a aprovação em um concorrido processo seletivo. Daí trilhou um caminho de sucesso. Se formou pela Universidade do Estado da Bahia e trabalhou em importantes instituições de educação. Não há quem não conheça na região a guinada e a carreira brilhante como educador e a sua paixão pela Física”, completou.

10612538_758428684213225_5558224684048184441_n

Os irmãos Jeovan, Sival e Silvano durante viagem à Buenos Aires (ARG) | Foto: Divulgação

Com relação à investigação do caso, Sival disse que reconhece o esforço feito pela polícia, mas vê dificuldades para conclusão do inquérito. “O interior da Bahia está aquém do que é básico para a sobrevivência em sociedade, pois o básico que é a segurança de qualidade não temos. Entendemos que se este crime tivesse ocorrido em uma cidade com São Paulo já estaríamos mais próximos à elucidação do caso. Percebo que o delegado está empenhado, mas sem recursos e estrutura será como encontrar ‘agulha em um palheiro’. Outra coisa que me indigna é saber que na Bahia só exista uma máquina para a realização de exame de DNA”, salientou.

Crime
Dois corpos foram encontrados carbonizados dentro do porta-malas de um carro incendiado às margens da BA-120, em Santaluz, na noite de sexta-feira passada (10). O veículo estava capotado na estrada que dá acesso ao município de Queimadas. Guarnições da Polícia Militar e da Guarda Municipal foram acionadas após receberem a informação de que um acidente teria ocorrido e, quando chegaram ao local, constaram que os corpos estavam no porta-malas. Os dois corpos foram encaminhados para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Feira de Santana, para serem identificados através de exames. O corpo de Nino foi identificado por arcada dentária e sepultado na tarde de terça-feira (14). Já o outro corpo, que familiares e a polícia acreditam ser de Jeovan, será identificado através de exames de DNA. De acordo com o DPT, não há prazo definido para o resultado ficar pronto. 

carro-1

Carro com corpos em porta-malas foi encontrado no município de Santaluz | Foto: Notícias de Santaluz

Em entrevista ao G1, na manhã desta quinta-feira (16), o delegado de Santaluz, João Farias, disse que a autoria e a motivação do crime ainda são desconhecidas. “A Polícia Civil está empenhada. Estou ouvindo pessoas íntimas das vítimas, mas ainda não sabemos como o crime foi cometido. Não sabemos se foi latrocínio, se foi crime passional, se foi crime por homofobia. Não sabemos”, relata.

Redação Notícias de Santaluz