Gedde

Expressões foram usadas em entrevista ao GLOBO, que o peemedebista confirmou intermediação de interesses da OAS | Foto: Divulgação

O ex-ministro da Integração Nacional e ex-vice-presidente da Caixa Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) pediu desculpas, no Twitter, pela expressão usada em entrevista ao Globo para justificar sua atuação a favor da empreiteira OAS quando era diretor do banco. Na edição desta quarta-feira, o jornal revelou uma série de mensagens trocadas entre Geddel e o ex-presidente da OAS Leo Pinheiro, reproduzidas num relatório da Polícia Federal (PF). Os torpedos de celular mostram que o ex-ministro atuou para a OAS na Caixa, na Secretaria de Aviação Civil e na Prefeitura de Salvador. Questionado ontem pela reportagem sobre a razão que o levou a intermediar pelos interesses da empreiteira, Geddel respondeu: “É claro que hoje tem o fato de ele ter sido preso. Antes ele era empresário, e eu tinha de tratar com todo mundo, com empresário, com jornalista, com puta, com viado… Era coisa absolutamente natural”. O ex-ministro escreveu quatro tuítes nesta quarta, em sua conta pessoal, para se desculpar pela frase. “Fui infeliz no uso de uma expressão em entrevista ao Globo. Peço desculpas a todos”, escreveu. Em novas mensagens, ele chamou de “erro brutal” a referência feita. “Eu acho, que quando se conete (sic) um erro, um grave erro, se assume, paga-se o preço. E qnd esse erro lhe faz mal a alma se pede desculpas. Já pedi sinceras desculpas pela frase infeliz registrada pelo jornalista. Lamento que alguns não aceitem e procurem machucar, mas é a vida”.