1606168

Diego Dzodan, vice-presidente do Facebook para a América Latina | Foto: Reprodução/Facebook

Após habeas corpus concedido pelo Tribunal de Justiça de Sergipe, o executivo Diego Dzodan, vice-presidente do Facebook, deixou a prisão por volta das 10h30 desta quarta-feira (2). Ele estava preso desde ontem, por decisão de um juiz de Lagarto (SE), após a empresa não divulgar informações sobre conversas no WhatsApp para investigações da Polícia Federal — o crime em apuração é o de tráfico de drogas. Segundo informações da Folha de S. Paulo, Dzodan passou a noite em uma cela isolada, como é padrão na instituição quando o preso chega ao sistema prisional. Em sua decisão pela liberação do executivo, divulgada no site do TJ-SE, o desembargador Ruy Pinheiro afirma que “o paciente está a sofrer evidente coação ilegal” e disse considerar precipitada a decretação de detenção preventiva de Dzodan. Na nota, Pinheiro ressalta ainda que, mesmo que a acusação de desrespeito à ordem judicial fosse admitida, não seria possível cogitar a decretação de prisão preventiva por suposto descumprimento da ordem, “na medida em que o paciente nem é parte no processo judicial, nem investigado em inquérito policial”. Dzodan foi detido na terça-feira (1º) antes de sair para o seu escritório, no bairro do Itaim Bibi, em São Paulo. Ele prestou declarações na Superintendência da Polícia Federal, na Lapa, e foi transferido ao Centro de Detenção Provisória, em Pinheiros, onde ficou até a manhã de hoje.