Liminar suspende decisão anterior e permite que empresa volte a exercer parcialmente suas atividades

A BBom , negócio acusado de ser uma pirâmide financeira, obteve a liberação parcial de suas atividades após quase quatro meses de bloqueio. A decisão foi concedida pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), com sede em Brasília. O negócio, porém, não poderá funcionar da mesma maneira como no passado. Segundo o Ministério Público Federal em Goiás (MPF-GO), responsável pelas acusações, a liberação é parcial. Apenas foram autorizadas a venda direta ao consumidor e a bonificação aos revendedores por indicação de consumidor final, informou a assessoria de imprensa do órgão. “Portanto, não será permitida a prática de pirâmide financeira nos moldes como a empresa praticava anteriormente”, diz o órgão, em nota. A decisão ainda libera as verbas da empresa para pagar dívidas trabalhistas e tributárias devidamente comprovadas, água, luz e materiais “necessários para o funcionamento da empresa”. Com informações do portal IG.