Altas ondas invadem caçadas antes mesmo do tufão chegar em Shantou, Guangdong.

A trilha sonora deste último domingo (22), foi regida por sirenes que insistiam em nos lembrar que deveríamos nos manter abrigados. Com o início de uma chuva, pela tarde, o comércio estava fechando e as pessoas esvaziavam as ruas. A natureza havia avisado: vem tufão por aí. Chamado de Usagi, ele chegou ao continente às 19h40 do domingo, pela cidade de Shanwei (onde estive há um mês) e foi perdendo força, naturalmente. Aqui em Guangzhou, a cerca de 350 km de Shanwei, os estragos não foram tantos, mas houve uma vítima fatal.

Aulas e vôos foram cancelados, parte da população não foi ao trabalho e muito barulho (por pura precaução) continuou no início desta manhã de segunda-feira em principalmente 14 regiões ao sul do país, como Hong Kong, Macau e Shenzen, por onde a tempestade passou. De acordo com o site chinadaily.com.cn, um total de 5.48 milhões de pessoas foram afetadas diretamente, entre elas 310.000 tornaram-se desabrigadas. Cerca de 8.490 de casas foram destruídas e 50.800 hectares de terra foram danificados.

Uma árvore vai abaixo pela força dos ventos na cidade de Shanwei, sul da província chinesa de Guangdong.

Apesar de não ter causado grandes transtornos na área onde moro, Baiyun Park, esse Usagi perturbou meu sono: acordei com o barulho dos ventos fortes e da chuva que caia brava! As árvores bailavam enlouquecidamente. Nunca havia visto a natureza em ritmo trance! Agora, fim de noite de segunda-feira (na verdade, já madrugada de terça) está tudo mais calmo, ao menos, onde estou. As notícias dão conta de 25 mortos e muitos desabrigados. Sem mais proximidade com a costa, o tufão segue mais fraco pelo interior do país. Que Buda proteja a China.