Paulo José/Acorda Cidade

Foto: Paulo José/Acorda Cidade

A chuva de granizo que atingiu Feira de Santana, na última segunda-feira (4), foi provocada pelo calor do solo da região, de acordo com a diretora da estação climatológica da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), Rosângela Leal. A situação foi registrada em distritos como o Matinha e Maria Quitéria. Por conta da chuva de granizo, o telhado da Escola Municipal Vasco da Cama, no distrito de Maria Quitéria, ficou danificado e as aulas no local foram suspensas. Ainda segundo a diretora da estação da Uefs, o último registro de chuva de granizo na região foi há 17 anos.

“A chuva de granizo, geralmente, acontece nas médias latitudes, na região subtropical, ali na região do Paraná, Santa Catarina, às vezes São Paulo, e em alguns lugares de Minas Gerais. Mas aqui na nossa região não, porque é muito quente. Na verdade, pode cair chuva de granizo, mas como o ar é muito quente ele se liquefaz, então o gelo não chega ao solo”, disse Rosângela, ao site Acorda Cidade. 

No entanto, ela explicou que, neste caso, havia uma nuvem grande e densa de mais de 10 km de altura na cidade, que se juntou à massa de ar frio que estava estacionada sobre a região. Assim, o solo muito quente fez com que uma massa de ar quente subisse e empurrasse as gotículas de chuva para o interior da nuvem, formando grandes blocos de gelo, e como os ventos não conseguiram segurá-las, elas caíram sobre o solo.