Após uma hora de manifestação pacífica, uma minoria radical entrou em confronto com a polícia no entorno do estádio Castelão, na tarde desta quinta-feira (27). De acordo com o major Valetim, que monitora o protesto, essa foi a manifestação mais violenta desde o início dos protestos em Fortaleza. “A gente sabe que a maioria vem em paz, mas infelizmente sempre se infiltram os baderneiros e começa isso”, diz o major. Cerca de mil se concentraram a 700 metros do Castelão, onde jogam Espanha e Itália pelas semifinais da Copa das Confederações. O grupo foi barrado por um fileira de policiais, que impedia a passagem dos manifestantes até o perímetro que a Fifa determina como limite.

Por cerca de uma hora, os manifestantes cantaram o hino nacional e gritaram palavras de ordem, pedindo melhorias na saúde, educação e segurança. Os manifestantes também questionam os gastos com a Copa do Mundo. “Eles resolvem tudo rapidamente para a Copa, mas nossas escolas continuam sucateadas”, diz a estudante Milena Aguiar, de 19 anos. O conflito começou quando um grupo menor jogou pedras e paus contra os policiais. A polícia, formada por barreiras do Batalhão de Choque, Cavalaria, Raio e Força Nacional. Os policiais avançaram cerca de um quilômetro, fazendo os manifestantes recuarem, até dispersar a multidão. A polícia fez uso de bombas de efeitos, gás lacrimogêneo e tiros de bala de borracha.