Criança é deixada na sala de casa e some em Almadina (Foto: Reprodução/ TV Bahia)A família de uma menina de seis anos, estuprada e morta na zona rural de Coaraci, no sul da Bahia, está impedida de enterrar o corpo da jovem há dois meses. O corpo de Andressa dos Santos Ferreira foi encontrado no dia 15 de setembro no rio Almada e ainda não foi liberado pelo Departamento de Polícia Técnica de Itabuna por causa da demora no resultado do exame de DNA. “O sofrimento não vai passar, mas eu queria pelo menos fazer o enterro da minha filha digno, honesto”, disse o pai da criança, André Ferreira. A menina ficou um mês desaparecida até a polícia localizar o corpo. O suspeito pela morte de Andressa foi preso três dias após o corpo ter sido encontrado. O homem, de 28 anos, é primo da vítima e confessou ter matado a garota por vingança. Segundo a polícia, Andressa ficou dez dias em poder dele antes de ser estuprada e morta. Mesmo após a família ter reconhecido o corpo e do suspeito ter confessado o crime, foi necessário realizar o exame de DNA por causa do estado de decomposição. Segundo os pais da menina, o material foi coletado no dia 16 de setembro e encaminhado para Salvador, mas o resultado ainda não chegou. A coordenadora regional do DPT de Itabuna informou que o resultado de qualquer exame de DNA chega no mínimo em quatro meses. Com informações do G1.