Veículo é muito utilizado como transporte coletivo (Foto: Divulgação)

Depois do desgaste político, foi a vez de o governo decretar oficialmente nesta quarta-feira (18) o “funeral” da Kombi. O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) recusou o pedido da Volkswagen e do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC para que a indústria continuasse a fabricar por mais dois anos o modelo sem incluir airbag e freio ABS. A decisão unânime do conselho sepultou, na prática, a sobrevida da Kombi até o fim de 2015. O fim da fabricação não significa o término das vendas, uma vez que há estoques. Todos os carros fabricados no país a partir de 1º de janeiro vão ter de sair das montadoras com os dois itens de segurança. A exigência foi a deixa para que a indústria automobilística retirasse de linha modelos que são incapazes de incluir esses equipamentos, como Gol G4 e Uno Mille, além da Kombi. Segundo o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, a Kombi deixou de ser fabricada há mais de 30 anos, na Alemanha, e há 20 anos, no México, por exemplo, por não conseguir ser adaptada para receber os equipamentos de segurança. Com informações da Agência Estado.