Tecnologia traz holografia do cantor Renato Russo em show que o homenageia neste sábado (29), em Brasília. (Foto: Guto Zafalan)

Tecnologia traz holografia do cantor Renato Russo em show que o homenageia neste sábado (29), em Brasília (Foto: Guto Zafalan)

Um coro de 45 mil vozes cantou durante todo o show “Renato Russo Sinfônico”, que aconteceu neste sábado (29), no Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília. Do começo ao fim do espetáculo, o público acompanhou os artistas que se revezaram no palco e mostraram que as composições do ex-líder da Legião Urbana continuam fazendo sentido, quase duas décadas depois da morte do autor.

Pessoas de todas as idades, muitos pais e filhos, fizeram parte do espetáculo. Além dos fãs do cantor e dos músicos no palco, as atrações foram a Orquestra Sinfônica de Brasília, sob regência do maestro Cláudio Cohen, e a execução da canção “Há tempos” com um holograma de Renato Russo, numa tecnologia até então inédita no Brasil.

Depois da exibição do holograma de Renato Russo, a maior parte dos artistas voltou ao palco para cantar juntos um dos primeiros sucessos da Legião, “Será”. Neste momento, Fabrício Boliveira apresentou o ex-baixista da banda de Renato Russo, o músico Renato Rocha. Ele fazia parte do então quarteto quando se apresentaram há 25 anos no mesmo estádio. O próprio ex-integrante ainda tocou baixo e tentou cantar “Que país é este”, o último número do show.

Inédito no Brasil
A tecnologia para trazer o cantor ao palco do Estádio Mané Garrincha foi usada pela primeira vez no Brasil neste sábado, segundo os produtores do evento. A projeção, a cargo do produtor e diretor Mark Lucas, que já trabalhou com bandas como Pearl Jam e Red Hot Chili Peppers, foi utilizada em apenas um show, em homenagem ao rapper Tupac Shakur, no ano passado, nos Estados Unidos. (G1)