Foto: Ilustração

O Promotor de Justiça Cristian de Menezes, realizou na tarde desta quarta-feira (11), no Fórum Dr. Tancredo de Almeida Neves, uma coletiva com a imprensa local sobre o São João De Cruz das Almas. Estiveram presentes o prefeito Dr. Jean Silva, o vice-prefeito e coordenador da festa, Ednaldo Ribeiro, presidente da câmara, Edson Ribeiro, os vereadores, Valtércio Filho, Renan de Romualdo e Raimundo de Gino, secretários municipais, representantes das policiais Militar e Civil, e a promotora Drª. Milena Rocha. Foi abordado assuntos ligados a área de segurança, prevenção a incêndio, atrações musicais, locais das barracas, trânsito e a proibição da queima de espadas, em vigor desde 2011. Segundo Dr. Cristian, “a questão das espadas é uma problemática”. Com essa afirmação, o Promotor narrou toda a querela judicial que envolve a proibição da queima, posse e fabricação do artefato.

“A Tradição da queima de espadas nessa cidade, por si só, reunia uma série de controversas, pelo número de queimados, pelos prejuízos ao patrimônio público, pela indisposição generalizada da grande parcela da população e comunidades que não eram adeptas ao tipo de brincadeira e pelo descontrole”. De acordo com o representante do Ministério Público, os espadeiros não respeitavam o Decreto da Prefeitura sobre os locais proibidos para queima do artefato, e a tradição foi perdendo o controle ao longo dos anos, levando ao aumento paulatino do número de queimados e lesionados. “Alguém pode me garantir que uma espada solta na rua não vai machucar alguma pessoa?”. Ainda de acordo com o Promotor de Justiça, a proibição mexeu com os interesses dos pequenos que são apaixonados pela queima das espadas, dos médios e dos grandes que investiam soma grande em dinheiro na fabricação do artefato que é contrário a legislação brasileira, e por esse motivo, “Não há como as espadas retornarem”. (Forte na Notícia)