Foto: Reprodução

O Ministério Público acolheu o relatório da Polícia Federal sobre a Operação Detalhes e apresentou denúncia contra o deputado estadual Roberto Carlos (PDT), pela prática dos crimes de peculato, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Além do pedetista, há outros onze denunciados. Caberá ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) julgar o caso.

Em agosto do ano passado, a Polícia Federal divulgou o encerramento da investigação e indiciamento do parlamentar. 

À época, a PF constatou esquema de desvio de dinheiro público na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), perpetrado através da nomeação de assessores parlamentares que não desempenhavam efetivamente suas funções (os chamados funcionários ‘fantasmas’). Tais assessores, também denunciados pela Procuradoria Regional da República, recebiam e desviavam seus vencimentos para o parlamentar e/ou para pessoas a ele ligadas (esposa, irmão e filho) através de saques e/ou transferências diretas.

Os vencimentos recebidos pelos servidores ‘fantasmas’ variavam de cerca de R$ 3 mil a R$ 8 mil por mês.

Na operação foram cumpridos 12 mandados de busca e apreensão nas cidades de Juazeiro, Petrolina, Uauá (BA) e Salvador (no Setor de Recursos Humanos e no gabinete do deputado, na Assembleia), todos expedidos pelo TRF da 1ª Região.

Redação Notícias de Santaluz – Com informações da Ascom PF