RSF_dilma_elpais_201606200069

Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Foi iniciada na manhã desta sexta-feira (24) a reunião da Comissão Processante do Impeachment, no Senado, que deve contar com o depoimento de mais duas testemunhas de defesa da presidente afastada Dilma Rousseff. Serão ouvidos o ex-secretário-executivo do Ministério do Trabalho e Emprego, Francisco José Pontes Ibiapina, e o diretor de Programas Especiais da Secretaria de Orçamento, Marcos de Oliveira Ferreira. Nesta quinta, segundo a Agência Brasil, os senadores tomaram o depoimento da ex-secretária de Orçamento Esther Dweck e do subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, Anderson Lozi da Rocha. Esther Dweck negou que a edição de decretos de suplementação orçamentária, por Dilma, em 2015, tenha contribuído para o descumprimento da meta de superávit primário prevista para aquele ano. “Não há relação da meta com a edição dos decretos de jeito nenhum”. Anderson Lozi disse que a abertura de um crédito suplementar não significa que o valor será integralmente usado. De acordo com ele, só é usado o recurso da suplementação até o limite disponível já previsto em decreto de contingenciamento. A abertura do crédito apenas fornece a dotação necessária, a dotação orçamentária, explicou.