A Câmara Municipal de Conceição de Coité está com a corda no pescoço. Oito vereadores – Nego Jai (PP), César do Hospital (DEM), Elizane Cana Brasil (PSDB), Lindo de Neuza (Pros), Pedrinho de Sambaiba (Pros), Helder Ramos (PP), Zé Baldoíno (PSD) e o vice-presidente da Casa, Araújo (PSD) – entraram na Justiça e pediram aumento do salário que era de R$ 5,2 mil para a bagatela de R$ 8 mil. Por conta disso, de acordo com as Portarias nº 809 e 812 de 20 de novembro de 2013, o vereador e presidente da Câmara, Betão Gordiano (PT) resolveu exonerar 10 funcionários da casa, além de reduzir a jornada de trabalho e, consequentemente, os salários dos servidores efetivos do quadro da Câmara Municipal em 40% (lembrar). O presidente também determinou a suspensão imediata de serviços como internet e telefone, além da compra de material de limpeza e escritório. O uso de ar condicionado e a transmissão online das sessões também foram suspensos.

Em contato com o site Bahia Notícias, Betão Gordiano explicou o imbróglio. “São vereadores de primeiro mandato e que não conhecem as leis. Não tem como pagar esse valor. Na última gestão, tínhamos dez vereadores e orçamento de R$ 200 mil. Agora, a cidade tem 15 vereadores e orçamento de R$ 207 mil, ou seja, 5% de acréscimo no orçamento e 50% de aumento de vereadores”, explicou. Com a folha estourada, o petista teme pelo encerramento das atividades do Legislativo. “Não temos como botar a Câmara para funcionar por conta dos gastos. Para você ter ideia, em janeiro eu não posso fazer um contrato porque não temos nem contador nem advogado. É complicado”, reclamou. 

Redação Notícias de Santaluz