Funcionários dos Correios fazem assembleias em todo o país para discutir continuidade da greve.

Funcionários dos Correios fazem assembleias em todo o país para discutir continuidade da greve, decidida na última terça-feira (17). De acordo com a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), a paralisação atinge mais de 60% da área operacional em 29 estados, incluindo as atividades dos carteiros e atendentes nas agências da empresa. Segundo os Correios, no entanto, a taxa de comparecimento na sexta-feira (20) foi em torno de 92%.

Empresa e funcionários não negociam desde o dia 17, quando a reunião de mediação entre as partes, no Tribunal Superior do Trabalho (TST), terminou sem acordo. Os Correios informaram que houve intransigência da federação na reunião mediada pelo vice-presidente do TST, ministro Antônio José de Barros Levenhagen.

Os trabalhadores reivindicam, entre outros pontos, aumento real de 15%, além da recomposição da inflação de 7,13%. Os Correios ofereceram reajuste de 8% no salário, sendo 6,27% de recomposição da inflação e 1,7% de ganho real, e de 6,27% nos benefícios. Além dos pleitos salariais, a federação dos trabalhadores cobra a implementação de Plano de Cargos Carreiras e Salários, contratação de 10 mil funcionários e redução de jornada de trabalho dos atendentes para seis horas. Sem acordo, a direção dos Correios pediu dissídio e não negocia com a federação dos trabalhadores há quase uma semana. (Agência Brasil)