aedes_aegypti

Foto: Divulgação/Fiocruz

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta segunda-feira (25), que a epidemia de Zika está claramente em regressão no Brasil, o que está relacionado com o fim do verão. No entanto, a entidade afirmou que a situação é contrária para os países do hemisfério norte, onde o número de pessoas afetadas pelo vírus pode aumentar significativamente nos próximos meses. “A epidemia está em uma fase descendente no Brasil. O mesmo acontece na Colômbia e Cabo Verde”, afirmou a subdiretora-geral da OMS Marie-Paule Kieny. De acordo com a Agência CNM, ela ainda observou que é impossível no momento saber se haverá uma reativação do vírus no futuro. Enquanto os mosquitos desaparecem no Brasil, a temporada dos insetos se inicia na Europa e, com ela, a possibilidade de uma transmissão local combinada com prováveis transmissões por via sexual do vírus Zika. A combinação pode provocar um aumento significativo do número de pessoas afetadas pelo zika e das complicações que isto representa, avalia a OMS. “Na medida em que as temperaturas começam a aumentar na Europa (com a aproximação do verão no hemisfério norte), duas espécies de mosquitos Aedes, conhecidas por transmitir o vírus, vão começar a circular”, disse Kieny. “O mosquito não tem fronteiras”, completou.