Após a confirmação pelo governo dos Estados Unidos de que a Agência Nacional de Segurança do país monitorou registros de telefonemas de milhões de cidadãos, os jornais “The Guardian” e “Washington Post” anunciaram nesta quinta-feira (6) que o órgão possui um programa que acessa diretamente, e sem autorização judicial, os perfis de usuários de empresas como Google, Microsoft, Apple e Facebook. Segundo as publicações, os dados fazem parte de um programa que autoriza a interceptação de dados como histórico, conteúdo de e-mails, conversas online, vídeos e transferências de arquivos. Através dele, os funcionários podem acessar os registros de usuários de todo o mundo em sistemas que operem sob a base legal dos Estados Unidos, sem a necessidade de autorização judicial. A primeira empresa inspecionada foi a Microsoft, em 2007, seguida pelos sistemas do Yahoo (2008), Google e Facebook (2009). O site de vídeos YouTube entrou na lista em 2010 e a Apple, em 2012. Desde que o programa entrou em vigor, em 2007, foram emitidos cerca de 77 mil dados suspeitos foram acumulados pela Agência. (Folha de São Paulo)