images

Imagem Ilustrativa

A Agência de Segurança dos Estados Unidos (NSA) “aparentemente” continua espionando a presidente Dilma Rousseff, de acordo com reportagem publicada nesta terça-feira (3) no jornal americano The New York Times. Segundo o NYT, dezenas de líderes mundiais foram excluídos do programa de espionagem depois que o monitoramento feito pela agência foi revelado em 2013. O jornal informa, porém, que “aparentemente programas [de monitoramento de líderes] no México e no Brasil continuaram”. Questionado pelo Blog do Fernando Rodrigues, o Ministério das Relações Exteriores se manifestou  em nota, mas sem ser específico sobre a possível ocorrência de novos casos de grampo. “O Brasil lamenta e repudia todos os episódios de espionagem não-autorizada de autoridades estrangeiras por órgãos de inteligência. O Brasil tem procurado atuar, no sistema multilateral, no sentido de estimular o respeito à privacidade nos meios digitais”, diz o comunicado, que também cita medidas concretas na área como a realização da Reunião Multissetorial Global sobre o Futuro da Governança da Internet, a “NETmundial”, realizada em São Paulo.