Share Button

Por TV Globo

Foto: Reprodução / Facebook

Geddel entre a mãe e o irmão Lúcio | Foto: Reprodução

O ministro Luiz Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), marcou para o dia 31 de outubro o depoimento do ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA) e do irmão dele, o deputado federal Lúcio Vieira Lima, na ação penal sobre os R$ 51 milhões encontrados em caixas e malas em apartamento de Salvador. Os dois, a mãe deles – Marluce Vieira Lima – e mais duas pessoas respondem desde maio deste ano pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa. Geddel está preso desde setembro do ano passado no presídio da Papuda, em Brasília, e a Polícia Federal afirma ter encontrado as digitais do ex-ministro no apartamento. Os interrogatórios dos réus marcam o fim da instrução da ação penal, ou seja, significa que o processo está perto de ser julgado. Conforme decisão desta quarta-feira, Marluce será ouvida no dia 30 de outubro de 2018, às 16h30, na Justiça Federal da Bahia. Já Geddel e o irmão Lúcio serão ouvidos no dia em 31 de outubro de 2018, às 16h, na sede do STF. Na denúncia apresentada ao STF, a Procuradoria Geral da República (PGR) afirmou que os R$ 51 milhões têm como possíveis origens propinas da construtora Odebrecht; repasses do operador financeiro Lúcio Funaro; e desvios de políticos do MDB. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse que estatais como Petrobras, Furnas e Caixa Econômica Federal tiveram prejuízo de ao menos R$ 587,1 milhões. Só no banco, teriam sido desviados para propina R$ 170 milhões pela ingerência de Geddel, segundo a PGR. A Procuradoria também apura se uma parte dos R$ 51 milhões corresponde à parte dos salários de assessores que, segundo a PF, eram devolvidos aos irmãos Vieira Lima.