DSC03597

Médicos entregam cargos coletivamente como forma de protesto

A partir desta quarta-feira (2), a população de Feira de Santana e região fica sem cirurgiões e ortopedistas no Hospital Clériston Andrade. Depois de dois meses tentando negociar com o governo, os médicos entregam os cargos coletivamente como forma de protesto. De acordo com informações do Sindicato dos Médicos do Estado da Bahia (Sindimed), a Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), o Ministério Público (MP) e o Conselho Regional de Medicina da Bahia (Cremeb) foram notificados da decisão ainda em fevereiro deste ano. Ainda de acordo com o Sindimed, neste período, os médicos negociaram exaustivamente com o governo a fim de encontrar uma solução e evitar esta medida extrema, entretanto, a gestão foi incapaz de apresentar uma proposta que contemplasse minimamente o pleito dos profissionais, que reivindicam melhores condições de trabalho e regularização do vínculo trabalhista. Atualmente, os médicos convivem com deficiências diversas (veja a lista completa das reivindicações), como falta de materiais, falta de leitos, medicamentos, entre outras, além disso, segundo o Sindimed, estão submetidos a uma forma de contratação ilegal.

Redação Notícias de Santaluz