A família de uma grávida que morreu no final de semana, em Feira de Santana, alega que um erro na prescrição da medicação pode ter sido a causa do óbito. Marisângela de Jesus dos Santos tinha 37 anos, estava no quarto mês de gravidez e era hipertensa. Segundo as informações da família, a mulher passou mal no sábado (29), quando foi levada à policlínica do Conjunto Feira X. Ainda de acordo com os familiares, após atender a paciente, a médica teria prescrito uma medicação que deveria ser comprada em uma farmácia, já que a clínica não fornecia. De acordo com Maria Bernardete de Jesus, mãe da vítima, cerca de cinco minutos após ser medicada a mulher começou a passar mal e morreu em seguida. “Ela parou de vez, parou o cansaço, parou tudo. Eu entrei na sala e quando vi minha filha naquele estado, a palavra dela foi só dizer: ‘Estou com sono’, e já estava entortando a boca e tudo”, relata.

A mãe de Marisângela chegou a pedir a transferência da filha para o hospital, mas os funcionários teriam contado que não haveria a possibilidade. Revoltada, Bernardete criticou: “Ele viu o quadro dela que estava piorando, tinha que transferir, e não deixar ela lá sentada em uma cadeira de rodas”.

A declaração de óbito indica “causa indeterminada” para a morte de Marisângela. O Departamento de Polícia Técnica informou que o laudo com as causas da morte sairá em 150 dias. A direção do posto médico foi procurada, mas ninguém se pronunciou. A Secretaria Municipal de Saúde informou que só irá se pronunciar após a conclusão do laudo.

A família de Marisângela informou ainda que um Boletim de Ocorrência foi aberto na delegacia para que o caso seja investigado. (G1 Bahia)