O Ministério da Educação (MEC) anunciou neste quarta-feira (31) que desistiu de incluir dois anos a mais no tempo de graduação do curso de Medicina do País. Com a mudança, os estudantes continuarão sendo obrigados a atuar no Sistema Único de Saúde (SUS), regra criada pelo programa Mais Médicos, mas o serviço poderá ser prestado dentro do período da residência médica.

O anúncio acontece após uma série de protestos contra a medida, que estabelecia que a carreira ganharia em faculdades privadas e públicas dois anos extras – aumentando de seis para oito anos de formação – para garantir um estágio obrigatório dos futuros médicos nos programas de atenção básica e de urgência e emergência do Sistema Único de Saúde (SUS) antes de receberem o diploma.

Os profissionais de medicina são contra, principalmente, dois pontos do programa: este acréscimo de dois anos de serviço no Sistema Único de Saúde (SUS) aos estudantes de medicina, revogado agora, e o incentivo para atuação de médicos estrangeiros no País, sem a revalidação dos diplomas.

Além do Mais Médicos, a categoria também é contra os vetos da presidente Dilma Rousseff à Lei do Ato Médico. A classe médica argumenta não foi ouvida nas negociações com o governo, o que exigiu ações “mais fortes” por parte dos profissionais. (IG)