Vagner Fraga Ferreira (esq.) foi indiciado por homicídio com dolo eventual | Foto: André Lucas Almeida/Futura Press

Suspeito de atropelar e matar nesta quarta-feira (20) a atendente de telemarketing Jéssica Rodrigues da Silva, de 22 anos, na Ponte do Piqueri, zona norte de São Paulo, o pedreiro Vagner Fraga Ferreira, natural de Barrocas, município da região sisaleira, localizado a 185 km de Salvador apresentou-se à polícia nesta quinta-feira (21). Jéssica foi atingida pelo carro dirigido por Vagner, um Fiat Stilo amarelo, na madrugada de quarta-feira, quando atravessava na faixa de pedestres da Avenida Edgar Facó, na região de Pirituba. De acordo com o delegado Marcel Druziani, responsável pela investigação, a carteira de habilitação do motorista estava vencida desde julho deste ano. 

“Ele nem deveria estar dirigindo. Para dirigir, precisaria ter renovado a sua CNH, mas não tinha feito isso”, disse Druziani, na tarde desta quinta-feira, ao G1.

Jovem foi atropelada e morta por Wagner Fraga Ferreira | Foto: Montagem/R7

Segundo o portal G1, o corpo de Jéssica foi enterrado na tarde de quarta-feira no Cemitério Nova Cachoeirinha. Ela deixou uma filha de 6 anos. Seus planos eram de se casar com o noivo Geyvysson dos Santos, de 20 anos, no final de 2014. A jovem seguia com o noivo e mais dois casais de amigos para um show do sertanejo Gustavvo Lima. Segundo Diego Rodrigues, irmão da vítima, ela estava feliz e iria comemorar seu novo emprego. Começaria a trabalhar como operadora de telemarketing nesta quinta-feira (21). 

Vagner foi indiciado por homicídio com dolo eventual (quando o suspeito assume o risco do crime, sem se preocupar com as atitudes). Se condenado, a pena seria de 6 a 20 anos de reclusão.  Ele não foi preso porque quando se entregou à polícia o prazo da prisão em flagrante já tinha expirado. O delegado Marcel Druziani informou que o laudo com as conclusões dos exames periciais deverá ser entregue em até um mês.

Redação Notícias de Santaluz