Uma faixa com casais que foram separados pela tragédia foi estendida na praça Saldanha Marinho Foto: Luiz Roese / Especial para Terra

No primeiro Dia dos Namorados depois da tragédia da Boate Kiss, um grupo não tem o que comemorar: seus parceiros de todas as horas morreram em decorrência do incêndio da casa noturna de Santa Maria (RS), em 27 de janeiro. Para não deixar com que a data seja um momento mais doloroso ainda, jovens “viúvos” se reuniram na praça Saldanha Marinho, no centro da cidade, para confraternizar, dividir as angústias e homenagear as vítimas.

A vigília aconteceu onde, desde o início de abril, a Associação de Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM) montou um posto permanente. A cada dia, uma das 242 vítimas é lembrada por familiares e amigos.

Nesta quarta-feira, o local foi ocupado por namoradas e namorados das vítimas. Além das tradicionais fotos de quem morreu em decorrência do incêndio, havia balões em forma de corações. Também era distribuído um texto escrito pelo dramaturgo inglês William Shakespeare. Um trecho dizia: “A longa distância apenas serve para unir o nosso amor. A saudade serve para me dar a absoluta certeza de que ficaremos para sempre unidos”.

A mensagem vinha acompanhada de um pirulito em forma do coração. Corações de papel também decoravam a tenda da vigília. Neles, de um lado havia o nome de cada uma das vítimas e, do outro, o do respectivo namorado.Uma faixa com casais que foram separados pela tragédia também foi colocada.

A estudante Anne Braustein, 20 anos, foi à praça para fazer sua homenagem ao namorado que morreu na tragédia, Alisson Oliveira da Silva, 22 anos. “Queríamos fazer uma homenagem, já que iria ser um dia muito difícil para nós. Assim a gente se ajuda e lembra das coisas boas que passamos com eles”, diz Anne, que faz parte do Grupo dos Namorados da AVTSM, que já tem 21 membros, mas quer reunir mais gente. A turma conta com uma página no Facebook. (Portal Terra)