TSE repassa informações cadastrais de 141 milhões de eleitores à Serasa

O Tribunal Superior Eleitoral decidiu repassar as informações cadastrais de 141 milhões de brasileiros para a Serasa, empresa privada que gerencia banco de dados sobre a situação de crédito dos consumidores do Brasil.

A medida foi publicada no dia 23 de julho no Diário Oficial da União e afeta praticamente todos os cidadãos com mais de 18 anos, que não poderão vetar a abertura de seus dados. 

O TSE entregará à Serasa os nomes dos eleitores, número, situação da inscrição eleitoral e informações sobre eventuais mortes. Conforme Anderson Vidal Corrêa, diretor-geral do TSE, o tribunal não está abrindo dados sigilosos. Ele afirmou que itens como nome da mãe ou data de nascimento do eleitor serão apenas validados, ou seja, o órgão dirá à Serasa se a empresa dispõe ou não das informações corretas sobre determinada pessoa. “Se o dado estiver incorreto, o TSE não vai corrigi-lo”, argumentou Corrêa. O acordo, informou o tribunal, foi autorizado por Nancy Andrighi, corregedora-geral eleitoral. 

Especialistas em privacidade e advogados criticaram a “terceirização” de dados.