20150625133021

Material foi utilizado no assalto a agência bancária, no Conde, no dia 2 de junho | Foto: Divulgação/Polícia Civil

Dois fuzis calibres 556 e 762, duas carabinas ponto 30 e 22, 450 munições de diversos calibres, carregadores, espoletas explosivas, coletes antibalísticos, brucutus, dentre outros materiais utilizados no assalto a agência bancária, no Conde, no dia 2 de junho, foram apreendidos por equipes do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), na última sexta-feira (19). O material, encaminhado ao Departamento de Polícia Técnica (DPT), foi encontrado enterrado num milharal na zona rural de Mulungu do Morro. A propriedade está em nome de Antônio José de Souza, o “Toninho”, procurado pela polícia. De acordo com o delegado Maurício Moradillo, do Draco, as investigações continuam para identificar todos os integrantes do bando. 

O crime – A quadrilha invadiu a cidade e criou pânico entre os moradores da cidade do Conde, que fica a 200 km de Salvador. De acordo com a Polícia Civil, os criminosos atiraram por mais de 20 minutos e os disparos atingiram a delegacia, a viatura e o alojamento da Polícia Militar (PM). Em seguida, eles se dirigiram à agência do Banco do Brasil, renderam funcionários, fizeram os clientes de “escudo humano” e fugiram com reféns, de acordo com a Polícia Militar. Ao menos 12 pessoas foram feitas reféns e colocadas no “capô” e na janela da caminhonete, entre funcionários e clientes.

Redação Notícias de Santaluz