tabelaipea

Estudo analisou violência entre 2004 e 2014 em todos os estados do país | Foto: Ipea/ Reprodução/ Atlas da Violência 2016

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou nesta terça-feira (22) o “Atlas da Violência 2016”, realizado em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), com dados de todo o Brasil do ano de 2004 a 2014. De acordo com o levantamento, a microrregião de Serrinha, cuja população foi estimada em 2014 pelo IBGE em 447.707 habitantes, registrou o segundo maior aumento na taxa de homicídios do Brasil, com uma variação de 832,40%. Para o Ipea, esse crescimento acelerado dos homicídios em localidades interioranas e até pouco tempo atrás bastante pacíficas, como é o próprio caso da microrregião de Serrinha, coloca um enorme desafio ao Pacto Nacional pela Redução dos Homicídios, anunciado recentemente pelo Ministério da Justiça, que focará nos 81 municípios com maiores índices de homicídios. O Atlas da Violência revelou ainda que, na Bahia, o número de homicídios cresceu 154,1% nos últimos 10 anos (2004 a 2014). Entre jovens na faixa etária de 15 a 29 anos, o Estado registrou um crescimento de 151,1%. O curioso é que, apesar de a Bahia possuir 8 microrregiões na lista das 20 mais violentas do país [Senhor do Bonfim (1ª), Serrinha (2ª), Santo Antônio de Jesus (3ª), Euclides da Cunha (9ª), Valença (10ª), Feira de Santana (11ª), Barra (16ª) e Jeremoabo (17ª)], o Estado contribui com três microrregiões entre as mais pacíficas [Cotegipe (1ª), Barreiras (2ª) e Boquira (4ª).

Redação Notícias de Santaluz