Share Button

Por Bahia Notícias

Fotos: Fellipe Sampaio e Carlos Moura/STF

Os ministros do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes e Luís Roberto Barroso – este último também presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – se posicionaram nesta quarta-feira (31) contra o golpe militar de 31 de março de 1964, que completa 57 anos. Em texto dirigido “para as novas gerações”, Barroso pregou que “apesar da crise dos últimos anos, o período democrático trouxe muito mais progresso social que a ditadura”, como o aumento do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do país. “Ditaduras vêm com intolerância, violência contra os adversários e falta de liberdade”, escreveu no Twitter, salientando que, durante o regime militar, as regras eleitorais costumavam ser manipuladas. Também pelo Twitter, Gilmar Mendes afirmou que o dia 31 de março “não comporta a exaltação de um golpe que lançou o país em anos de uma ditadura violenta e autoritária”. “Ao contrário: é momento de exaltar o valor da nossa democracia conquistada com suor e sangue. Viva o Estado de Direito. #DitaduraNaoSeComemora”, escreveu o ministro. As manifestações vão na contramão das declarações do novo ministro da Defesa, o general Walter Braga Netto, que em seu primeiro dia no cargo estimulou as comemorações do golpe militar. Compreendido entre 1964 e 1985, o período da ditadura ficou conhecido pelo fim das eleições diretas, pelo fechamento do Congresso, por censura, tortura e assassinatos praticados pelo Estado brasileiro.