por Henrique Mendes | G1 BA
c4

Edson Oliveira, de 26 anos, perdeu parte de um dos dedos em 2013 | Foto: Henrique Mendes / G1

Edson Oliveira, trabalhador rural de 26 anos, perdeu a parte superior de um dos dedos da mão esquerda quando operava uma máquina desfibradora de sisal. O acidente ocorreu em 31 de dezembro de 2013, dia de festa de réveillon para milhões de brasileiros e de trabalho pesado nas roças do município de Conceição do Coité, a cerca de 210 quilômetros de Salvador. Psicologicamente, o desastre deixou traumas. “Não gosto nem de lembrar. Quando me dei conta, já não tinha nada a fazer. É triste”, lamenta.

Apesar da trágica lembrança, nada mudou na vida profissional do jovem cevador. Quase um ano após o acidente, o trabalho de risco persiste diante de um equipamento que já mutilou mais de 2.000 produtores de toda região sisaleira, que é composta por mais de 30 municípios. “Eu tenho medo que ocorra de novo, mas não tenho outro meio de sobreviver”, explica o motivo de ainda se arriscar meio à vegetação seca do semiárido baiano.

As vítimas do motor do sisal estão espalhadas pelas comunidades de Conceição do Coité. Morador do “Assentamento Nova Palmares”, a 12 quilômetros do centro do município, o próprio Edson Oliveira relata que não foi o primeiro da família a ter sido vítima do equipamento. “Eu tenho um tio que cortou até aqui”, disse apontando para o antebraço. Em caso próprio e sobre o parente, o cevador comenta que os acidentes ocorreram durante descuidos de segundos. “Eu vacilei. Num momento de distração, a minha mão desceu. O trabalho exige muita atenção”, explica o produtor que desfibra sisal há 10 anos. Continuar lendo…