Estadão Conteúdo
RTEmagicC_enterrogularte.jpg

Foto: Estadão Conteúdo

O brasileiro Rodrigo Muxfeldt Gularte, 42, executado na última semana na prisão de Nusakambangan, na Indonésia, foi enterrado às 15h15 deste domingo (3) em Curitiba. O corpo, que estava na capital paranaense desde a noite de sexta-feira, (1), chegou ao cemitério para ser velado às 9h30. Inicialmente marcado para as 16 horas, a família – que não falaria com a imprensa – foi antecipado. O advogado Cleverson Teixeira, amigo da família e que no início do caso chegou a fazer intervenções junto ao governo asiático como coordenador de Direitos Humanos da OAB-PR confirmou. “Ele está sendo enterrado”, disse. Gularte estava preso desde 2004, quando foi flagrado no aeroporto de Jacarta com seis quilos de cocaína escondida em pranchas de surfe. A partir daí, a diplomacia brasileira iniciou tratativas para tentar repatriá-lo, mas esbarrou na linha-dura do governo indonésio. O encarregado de negócios do Brasil em Jacarta, Leonardo Carvalho, informou à BBC Brasil que as últimas palavras de Gularte foram: “Daqui irei para o céu e ficarei na porta esperando por vocês”, relatou. No último ano, o brasileiro chegou a ser diagnosticado como esquizofrênico por autoridades sanitárias locais, mas ainda assim, mesmo com a ação das autoridades brasileiras, o governo local se manteve irredutível e executou Gularte juntamente com outras sete pessoas condenadas por tráfico de drogas. Segundo a BBC, a prima de Gularte, Angelita Muxfeldt, acompanhou, mesmo à distância, a execução e desde fevereiro permanecia em contato com ele na Indonésia.