Investigações apontam para a participação de um suplente de deputado federal do estado do Maranhão no esquema | Foto: Divulgação

A Polícia Federal (FF) desencadeou, na manhã deste sábado (18), a Operação Éskhara, com o intuito de combater uma organização criminosa apontada como responsável pela maior fraude já realizada contra a Caixa Econômica Federal em toda a história da instituição financeira. De acordo com a PF, durante a operação, que contou com o apoio do Ministério Público Federal (MPF), foram emitidos cinco mandados de prisão preventiva, 10 mandados de busca e apreensão e 1 mandado de condução coercitiva nos estados de Goiás, Maranhão e São Paulo. A fraude ocorreu no final do ano passado e consistiu na abertura de uma conta corrente na agência da Caixa no município de Tocantinópolis/TO, em nome de uma pessoa fictícia, criada para receber um falso prêmio da Mega-Sena no valor aproximado de R$ 73 milhões. Em seguida, o dinheiro creditado foi transferido para diversas contas. De acordo com a PF, as investigações apontam para a participação de um suplente de deputado federal do estado do Maranhão  no esquema, dentre outros envolvidos. No decorrer da investigação, foi preso o gerente geral da agência de Tocantinópolis. Os acusados serão indiciados pelos crimes de peculato, receptação majorada, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

Redação Notícias de Santaluz