Com informações do Bahia Notícias
380x305xPitchaco.jpg.pagespeed.ic.hE5AQp16jr

Pithcaco, da Seleção de Santa Luz, já recebeu propostas para se profissionalizar | Fotos: Notícias de Santaluz

Já imaginou um time formado por jogadores com nomes como Biito, Garrote, Boquinha, Wambaster, Júnior Mulambo, Pneu, Piroquinha, Bidi, Chendengo, Anão, Dreinha e Tiquin? Ou ainda Negoliso, Zé Bú, Peloco, Xica, Gil Gogó, Buleco, Tiziu, Buguelo, Teka, Nem de Dora, Xuxu e Tobinha? Engana-se quem achar que seja apenas uma brincadeira, pois todos os nomes citados são de atletas que jogam o Campeonato Intermunicipal 2014 na Bahia, torneio de seleções do interior do estado responsável por revelar craques como Edílson “Capetinha”, Liédson, Charles Fabian e Bobô, entre outros. Um dos craques da competição conhecido por uma alcunha peculiar é Cleilton Menezes, de 29 anos, que joga pela seleção de Santa Luz, mas é mais conhecido pelos companheiros de time e entre os amigos como Pitchaco. “Meu avô me chamava de Pitaco quando eu era criança, aí meus amigos se aproveitaram disso, mudaram meu apelido para Pitchaco e todo mundo me conhece assim”, conta o jogador. Pitchaco está disputando o 10° Intermunicipal e confessa já ter recebido convite de se tornar profissional, mas na época das propostas tinha contrato com São Francisco do Conde e achou melhor cumprir o acordo por não considerar que seria vantajoso para ele. “O salário oferecido não me agradou, era quase o mesmo que eu já ganhava então preferi deixar as coisas do jeito que estavam”, disse Pitchaco. No ano de 2009 o atleta foi campeão com a seleção de Serrinha e, além disso, ficou com a artilharia da competição ao balançar as redes 16 vezes.

tobinhaAlém de Pitchaco, outro atleta da seleção de Santa Luz que ganhou um apelido incomum é Moisés dos Santos, 21 anos, conhecido popularmente na cidade como Tobinha. O jogador acabou “herdando” um apelido originalmente do irmão Toba, que chegou a atuar profissionalmente. “Meu irmão mais velho era jogador profissional, tinha como apelido Toba e foi para o estado do Ceará. Por eu ser mais novo, o povo acabou me chamando de Tobinha”, explica o atleta. O jogador utiliza a competição como forma de atrair olhares de clubes profissionais. Ele já chegou a receber convites, mas na ocasião teve que recusar para ajudar a família que passava por dificuldade financeira. Tobinha até foi protagonista de um lance polêmico no Intermunicipal deste ano, quando recebeu uma voadora de Elvis, da seleção de Coité, na região do pescoço. O agressor apenas recebeu o cartão amarelo no lance.