reunião_vagner_pmApós estender o prazo até o dia 10 de abril, para que o governador da Bahia, Jaques Wagner, responda a lista de propostas de modernização da categoria, que inclui o novo estatuto, a nova Lei de Organização Básica, e o novo Código de Ética da Corporação, a Associação dos Oficiais da Polícia Militar da Bahia (AOPMBA), denominada Força Invicta, que é considerada pelo governo, representante oficial da categoria, decidiu convocar todas as associações representativas dos policiais militares baianos para uma reunião nesta segunda-feira (24), e derrubar o novo prazo. O acordo foi selado entre representantes da PM e o governador, na manhã de sexta-feira (21), em reunião que ocorreu na sede da Governadoria, situada no Centro Administrativo da Bahia. Entretanto, após tomar conhecimento da existência de uma decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), onde o mesmo deliberou em junho de 2006 que, “nos 180 dias anteriores às eleições e até o dia da posse, os governos não podem conceder aumentos salariais para servidores públicos no próprio ano eleitoral”, a Força Invicta pretende convencer Wagner do equívoco do novo prazo e marcar uma nova data para que o governador apresente a resposta. 

Entenda o caso

A Força Invicta se reuniu em janeiro deste ano, com o governador Jaques Wagner, e entregou oficialmente diversas propostas construídas para o Plano de Modernização e Reestruturação da Polícia Militar da Bahia. O movimento concedeu um prazo de 45 dias ao governador, para analisar as propostas e transformá-las em um projeto de lei, que seria encaminhado à Assembleia Legislativa. No entanto, passados os 45 dias, na sexta-feira, 21 de fevereiro, Wagner, ao invés de apresentar a resposta, pediu que o prazo fosse estendido até o dia 10 de abril. Porém, após tomar conhecimento da existência da decisão do TSE, a categoria teme que Wagner esteja usando a manobra para ganhar mais tempo e deixar o compromisso para o próximo governador.

Redação Notícias de Santaluz