A polícia divulgou nesta terça-feira (3) o resultado da operação que resultou na prisão do médico Wesley Ferraz, de 56 anos, preso no dia 29 de novembro sob suspeita de molestar as pacientes que atendia. Segundo a polícia, doze mulheres confirmaram à polícia que foram molestadas pelo profissional dentro de consultórios particulares e unidades municipais de saúde. Segundo o G1, o médico estava sendo investigado há dois meses. De acordo com a polícia, a última vítima do dermatologista foi uma menina de 13 anos, que foi levada pela mãe a um consultório particular de Porto Seguro. Durante o atendimento, o médico abaixou a blusa da paciente e a molestou. A menina foi ao consultório para tratar de uma lesão no braço. Por conta do ocorrido, a mãe levou a jovem a Delegacia de Atendimento a Mulher e denunciou o médico. As investigações revelam que o médico costumava apalpar a genitália e os seios das mulheres que se dirigiam aos consultórios, apenas para tratamento dermatológico. Ele não utilizava luvas e jaleco, e só prestava atendimento depois de trancar a porta do consultório, e sob o pretexto de realizar exames mais detalhados, abusava sexualmente das pacientes e tocava suas partes íntimas. (BN)