Share Button

Por G1 BA

Foto: Reprodução/Redes Socias

Foto: Reprodução/Redes Socias

O prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), afirmou em entrevista coletiva nessa sexta-feira (22), que a tendência é que o carnaval, que já havia sido adiado, não seja feito em julho. Apesar disso, ele preferiu não confirmar o adiamento e citou o cronograma das vacinas.

“O carnaval só poderá ocorrer após imunização em massa, após as três milhões de pessoas em Salvador serem vacinadas. Diante do cenário hoje, com o cronograma de vacina que temos, é fácil imunizar todo mundo até julho, para a gente realizar o carnaval? Se me perguntar qual é a tendência, eu digo que não é. Mas vai depender da vacina”, disse.

“A tendência é adiar, mas eu prefiro aguardar o desenrolar dos fatos, quais laboratórios vão produzir e a capacidade, para dar palavra concreta a carnaval. Mas a tendência é não ocorrer em julho”.

Em julho de 2020, o então prefeito ACM Neto já havia falado sobre a expectativa de realização do carnaval no mesmo mês de 2021. No entanto, as especulações sobre o novo adiamento surgiram depois que o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM), descartou a realização dos festejos.

Sobre uma possível nova data, o prefeito Bruno Reis especulou o adiamento para o final do segundo semestre, mas deixou no ar que o carnaval talvez não seja realizado.

“Pode ocorrer em outubro ou pode ser que não tenhamos condição de realizar esse ano, por causa da vacinação das pessoas. É cedo para afirmar. Sem ter um cronograma exato da vacina, não dá para falar de carnaval”.