Prefeituras de 11 cidades do interior da Bahia, Amazonas, Ceará e Pernambuco pretendem demitir médicos contratados por profissionais do programa Mais Médicos do governo federal. De acordo com reportagem do jornal Folha, essa é a intenção dos governos municipais de Jeremoabo, Nova Soure, Santa Bárbara e Sapeaçu. 

O objetivo é economizar, já que a bolsa de R$ 10 mil dos contratados será de responsabilidade da União. Atualmente, o governo federal repassa cerca de R$ 10 mil por equipe no programa Saúde da Família. Salários e encargos são custeados pelas prefeituras. Essa decisão de demitir os profissionais já contratados contradiz com a principal bandeira do programa federal, que é reduzir a carência de médicos na periferia e interior do Brasil. O plano causou polêmica na classe médica, mas o governo federal argumenta que a intenção é atender áreas onde os médicos brasileiros não se interessam em trabalhar.