JC_Presidente-TSE-Gilmar-Mendes-coletiva-imprensa-eleicoes-2016_25072016009

Foto: José Cruz/ Agência Brasil

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, decidiu autorizar na noite desta quarta-feira (10), atendendo pedido feito pela corregedora-geral da Justiça Eleitoral, a ministra Maria Thereza de Assis Moura, o andamento das investigações contra o Partido Progressista (PP) e o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) por supostas irregularidades financeiras. Os indícios de irregularidades foram apontados por documentos enviados ao TSE pela 13ª Vara Federal de Curitiba por meio do juiz Sérgio Moro, constantes dos autos da Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) 194358, da qual a ministra Maria Thereza é relatora. De acordo com a decisão da ministra, “a análise preliminar da volumosa documentação denota a existência de fatos graves a exigir a devida apuração”. Entre as informações enviadas pelo juiz Sérgio Moro há o depoimento do investigado na operação Lava Jato, Paulo Roberto Costa, que confirma o repasse de valores aos dois partidos por meio de empreiteiras que mantinham contrato com a Petrobras. Além do depoimento, existem recibos e comprovantes de transferências bancárias e doações feitas a campanhas eleitorais que exigem análise específica, conforme explicou a relatora em sua decisão. Segundo ela, há indícios de práticas ilegais que denotam pagamento de propina travestida de doação para partidos. O TSE ainda precisa definir quem deve ser o relator dos processos.

Redação Notícias de Santaluz