toff_berzo22102015_140

Foto: Lula Marques/Agência PT

O ministro Dias Toffoli não foi o único do Supremo Tribunal Federal (STF) a entrar na mira da força-tarefa da Operação Lava Jato no Ministério Público Federal (MPF). De acordo com a coluna de Monica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo, os procuradores tentaram investigar, além de Toffoli, também assessores e familiares de outros dois magistrados da corte. Segundo a publicação, o STF também está ciente das apurações, enquanto o governo também acompanha de perto a crise entre os órgãos. O vazamento da informação de que Toffoli aparecia na delação premiada da empreiteira OAS criou um racha entre os procuradores ligados ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em Brasília, e o grupo que conduz a operação em Curitiba. O grupo ligado a Janot era contra inclusão do nome do ministro nas tratativas, porque as primeiras informações fornecidas pela OAS não representavam crime. A informação que corre é de que procuradores do Paraná vazaram a informação sobre Toffoli depois de se dar conta que o ministro, por ter foro privilegiado, não poderia ser investigado.