Foto: Tércio Teixeira / Futura Press

Mais um protesto terminou em atos de vandalismo e confronto com a Polícia Militar na noite desta terça-feira (30), na zona oeste de São Paulo. Ao menos 20 pessoas foram detidas, de acordo com a PM paulista. O protesto contra o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), começou de forma pacífica, por volta das 18h, com cerca de 30 manifestantes e 220 policiais. O grupo aumentou e saiu em passeata, que teve os primeiros atos de vandalismo, cometidos por um pequeno grupo de pessoas, que atirou pedras contra ao menos uma agência bancária e uma loja de carros. A polícia respondeu com bombas de gás lacrimogêneo, de acordo com a Folha de São Paulo. A manifestação foi organizada pelas redes sociais, pelo mesmo grupo que já havia realizado um outro ato na última sexta-feira (26), na avenida Paulista, que terminou em vandalismo. Na semana passada, ao menos 13 agências bancárias foram depredadas, além de base da PM, uma concessionária e semáforos. Organizadores do ato disseram que os ‘black blocs’ (grupo anarquista que prega a depredação do patrimônio publico e privado nos protestos) se infiltraram no ato organizado, que era pacifico.