65616b6d-4bca-437f-9b62-f320995a420d

Presidente do Sinspmuq diz que sindicato vai entrar com mandado de segurança para garantir o pagamento dos salários atrasados | Foto: Cidicleiton Souza/Notícias de Santaluz

Os funcionários públicos do município de Queimadas iniciaram paralisação por tempo indeterminado em todas as categorias na última sexta-feira (8) para reivindicar reajustes salariais e o enquadramento por tempo de serviço com base no plano de cargos e salários. Além disso, os servidores também cobram salários atrasados do mês de março. Segundo o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Queimadas, Nordestina e Monte Santo (Sinspmuq), Eduardo Santana Costa, apesar da greve, 30% dos serviços essenciais da saúde estão sendo mantidos pelos trabalhadores, conforme prevê a legislação.

De acordo com Eduardo, representantes da categoria se reuniram com o prefeito Tarcísio Pedreira na sexta-feira, mas o gestor argumentou que o município não tem condições de conceder reajuste salarial aos servidores públicos. Em relação aos salários atrasados, o prefeito alegou situações de dificuldades financeiras pelas quais a prefeitura vem passando após sofrer bloqueio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) este mês, devido a dívidas com o INSS, e não estabeleceu prazo para o pagamento, segundo informou o presidente do Sinspmuq. Eduardo disse que o sindicato vai impetrar perante a Justiça um mandado de segurança coletivo, visando garantir o pagamento dos salários atrasados. Uma assembleia será realizada nesta terça-feira (12) para decidir os rumos da paralisação.

12924342_10201468400267158_1036794754097933434_n

Em greve há uma semana, agentes de endemias realizam protesto em frente à Câmara de Vereadores de Queimadas | Foto: Reprodução/Facebook

Greve dos agentes de endemias completa uma semana

A greve dos agentes de endemias do município de Queimadas completa uma semana nesta segunda-feira (11), sem avanços nas negociações entre os servidores e a prefeitura. A categoria cobra o cumprimento do acordo para o pagamento do adicional de insalubridade feito há cerca de um ano com o prefeito. Os agentes de endemias alegam que a prefeitura recebe normalmente o recurso do governo federal, mas não repassa aos servidores. Na última quarta-feira (6), parte dos grevistas visitou a Câmara Municipal para protestar e pedir apoio aos vereadores da cidade.

Redação Notícias de Santaluz