Share Button

Por F1 e TV Globo

Foto: Carlos Moura/TSE

Barroso foi o primeiro a votar no julgamento do registro da candidatura do ex-presidente | Foto: Carlos Moura/TSE

O ministro Luís Roberto Barroso, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), votou nesta sexta-feira (31) pela rejeição dopedido de candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, à Presidência da República. Relator do pedido de candidatura, Barroso foi o primeiro a votar no julgamento do pedido, cuja decisão depende da maioria dos 7 ministros que integram o plenário do TSE. Depois dele, votam os ministros Edson Fachin, Jorge Mussi, Og Fernandes, Admar Gonzaga, Tarcisio Vieira de Carvalho Neto e Rosa Weber. No voto, Barroso elogiou a Lei da Ficha Limpa, pela qual Lula está inelegível em razão da condenação por corrupção e lavagem de dinheiro em órgão colegiado. No início, Barroso ainda justificou a opção por decidir nesta sexta sobre o caso – a defesa queria adiar o julgamento, o que permitiria que Lula aparecesse como candidato na propaganda de rádio e TV, que começa neste sábado (1º). O ministro disse que marcou a decisão para esta sexta para que o horário eleitoral comece com “o quadro definitivo dos candidatos à Presidência”. Barroso também disse que, na condição de julgador do caso, não tem “qualquer interesse ou preferência que não seja o bem do Brasil. Nem pessoais, nem políticos, nem ideológicos”. “Minha única preocupação é a defesa das instituições, da Constituição e da democracia, para que sirvam da melhor maneira possível à nação brasileira”, afirmou.